terça-feira, 23 de julho de 2019

Anvisa adota risco de morte como único critério para classificar agrotóxicos


Um dias após o Ministério da Agricultura liberar mais 51 tipos de agrotóxicos —já são 262 neste ano—, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou nesta terça-feira (23) um novo marco legal para avaliação dos riscos à saúde vinculados a agrotóxicos.
A mudança pode fazer com que produtos hoje classificados como “extremamente tóxicos” passem a ser incluídos em categorias mais baixas, como moderadamente tóxicos, pouco tóxicos ou com dano agudo improvável à saúde.
Segundo o jornal Folha de S. Paulo, a agência adotará novos critérios e usar apenas estudos de mortalidade para definir a classificação —ou seja, os casos em que uma inalação ou ingestão traz risco de morte ou outros danos graves à saúde.
Atualmente, para determinar o grau de toxicidade de um agrotóxico, o modelo em vigor leva em conta estudos de mortalidade em diferentes tipos de exposição ao produto e o resultado tido como “mais restritivo” em testes de irritação dos olhos e da pele.
Para técnicos da Anvisa, o modelo hoje adotado leva a uma classificação equivocada. “Da forma que saía a nossa classificação, ninguém sabia qual era a toxicidade correta”, afirmou à publicação o gerente-geral de toxicologia, Carlos Gomes. Bahia.ba

0 comentários:

‹‹ Postagem mais recente Postagem mais antiga ››