quinta-feira, 11 de junho de 2020

Doria anuncia vacina contra coronavírus para junho de 2021

Foto: Governo de São Paulo/Fotos Públicas
Foto: Governo de São Paulo/Fotos Públicas

O governador de São Paulo, João Doria, anunciou nesta quinta-feira (11) que a vacina contra o novo coronavírus, que será produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a gigante farmacêutica chinesa Sinovac Biotech, estará disponível até junho de 2021.
“A vacina do Instituto Butantan é das mais avançadas contra o coronavírus e os estudos indicam que ela estará disponível no primeiro semestre de 2021, ou seja, até junho do próximo ano. E com essas vacinas nós podermos imunizar milhões de brasileiros”, disse Doria em entrevista no Palácio dos Bandeirantes – Doria havia usado suas redes sociais, horas antes, para informar sobre a assinatura do acordo com a Sinovac.
Hoje é um dia histórico para a ciência no Brasil e em SP. Vamos anunciar que São Paulo vai produzir a vacina contra o coronavírus, através de parceria entre o Instituto Butantan e o laboratório internacional Sinovac Biotech.
4.739 pessoas estão falando sobre isso
O governador destacou que, comprovada a eficácia e segurança da vacina, o Butantan terá o domínio da tecnologia do medicamento. “O maior benefício do acordo anunciado hoje, 11 de junho de 2020, é a transferência de tecnologia para produção nacional em larga escala”, disse.
Neste sentido, serão realizados testes no Brasil com 9 mil voluntários já a partir de julho. “Dentro, portanto, de três semanas, 9 mil voluntários já estarão sendo testados aqui no Brasil”, disse Doria. O político tucano afirmou que a parceria com a Sinovac teve início em agosto de 2019, depois de uma viagem até a China e da abertura de um escritório comercial de São Paulo em Xangai.
O governador destacou que, comprovada a eficácia e segurança da vacina, o Butantan terá o domínio da tecnologia do medicamento. “O maior benefício do acordo anunciado hoje, 11 de junho de 2020, é a transferência de tecnologia para produção nacional em larga escala”, disse.
Sem citar o nome do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ele disse ser preciso “superar desavenças com relação à China ou qualquer outro país e também com organismos de cooperação internacional, como a Organização Mundial da Saúde (OMS)”.
“Dividir, brigar, separar não contribui para a ciência, para resultados. É melhor, somar compreender, dialogar, empreender para salvar. A politização do vírus não salvou nenhuma vida, nem no Brasil, nem fora dele. Não resolveu nenhum problema, ao contrário, acentuou, piorou e vitimou”, disse.

Bahia.ba*

0 comentários:

‹‹ Postagem mais recente Postagem mais antiga ››